Adoção: Contando a história da família através de um álbum

Queridos,

Compartilho com vocês a história e a ideia da Karla Karine Mediotti. Pois bem, ela está preparando um álbum de scrapbook da família super legal!! 

Lembram do post sobre o diário da adoção no qual contamos um pouco sobre como é a técnica do scrapbook? Segue o link: http://gravidezinvisivel.com/gravidez-do-coracao/a-importancia-do-diario/ 

Vale a pena conferir o relato dela!

Beijos com carinho, Lu


Nossa história com adoção começou assim que começamos a namorar e falei para o Bruno que queria adotar. Sempre sonhei em adotar, nunca me imaginei grávida… Mas até então queríamos adotar um bebê. Somente nesse ano, ao receber em minha sala de aula uma aluna de 5 anos que estava abrigada, que tudo mudou…
IMG_2207234362037_resized
Fomos visitar o abrigo e conhecemos outras crianças “maiores” abrigadas. Nesse momento tudo mudou pois percebemos que crianças abrigadas não são tão independentes quanto achavámos que eram. Muito pelo contrário, percebermos que quanto mais “velhas” as crianças forem, mais abertas estão para uma aproximação!!!
 IMG-20141222-WA0118_resized
Então, a saga começou em março quando entregamos toda papelada. Em Junho fizemos o curso. Em Outubro fizemos a entrevista com o Assistente Social, quando traçamos o perfil: menina de até 8 anos, e, logo recebemos a visita em casa. Por fim, em Janeiro do ano que vem passaremos pela avaliação psicológica.
Com o passar do tempo a ansiedade passou a bater então não consegui me segurar mais e comecei a preparar o que dava, então comecei a registrar tudo que IMG-20141222-WA0117_resizedfazíamos para depois fazer um scrapbook. Essa semana passei numa lojinha que amo e vi esse livrinho de scrap que dá pra levar na bolsa e comprei lógico… cheguei em casa e resolvi 20141221_195930_resizedfazer o álbum pois acho uma boa apresentar a família em fotos pra não ser tão surpresa o primeiro encontro. Então fiz o scrap da família, tem até as dogs rsrs, e agora penso em completar com fotos da nossa casa e dos preparativos que estamos fazendo! 20141221_200047_resized

Obrigada pelo carinho e parabéns pela iniciativa do site, com certeza está ajudando e inspirando muitas pessoas assim como me inspirou a fazer um álbum da gravidez do coração quando nos habilitarem!
Beijos, Karla
 20141221_200111_resized
Anúncios

Adoção: Itens básicos para a chegada do seu filho

A espera pela adoção foi longa, a ansiedade, grande e a alegria da chegada, maior ainda. Só que agora que seu filho finalmente está nos seus braços bate aquele desespero: “Não temos nada em casa para uma criança!”.

Calma! Por incrível que pareça, você vai conseguir se virar melhor do que imagina nestes primeiros dias e depois, sem pressa, poderá curtir preparar um quarto do jeito que você sempre sonhou, cheio de roupas limpinhas e cheirosas, e muitos brinquedos, livros e enfeites para celebrar a vinda desta criança tão aguardada. Leia nosso artigo sobre como criar vínculos de amor após a adoção.

Enquanto isso, confira abaixo as dicas do BabyCenter para você se organizar logo no comecinho, de acordo com a idade do seu filho.

images (1)

Recém-nascido a 1 ano de idade

Alimentação

A primeira providência é se informar no local onde a criança estava abrigada que tipo de alimentos ela já come. Se seu bebê tiver mais de 4 meses, é bem possível que já coma outros alimentos além do leite, e você terá que parar em um supermercado ou feira e se abastecer de muitas frutas, legumes e verduras frescas para preparar sopinhas e papinhas nutritivas.

Veja nossas sugestões de por onde começar na cozinha se a culinária não é seu forte e também sobre os utensílios que precisará comprar (dependendo da região onde você mora, pode encontrar pratos, mamadeiras e colheres apropriadas em um supermercado ou em uma loja de bebês) .

Quanto ao leite, pode até ser que o bebê venha tomando leite de vaca, mas esse NÃO é um alimento recomendado para crianças menores de 1 ano. Compre então fórmula láctea conforme a idade dele.

Neste primeiro momento talvez você não tenha tempo de pesquisar muito os preços, porém não deixe de fazer isso quando estiver mais disponível, porque eles variam bastante. Não faça estoques logo de cara, porque seu filho pode não se adaptar a determinado tipo de fórmula (pode ter prisão de ventre, por exemplo).

Você terá que comprar ainda mamadeiras e bicos ou copinhos, dependendo de como ele foi acostumado.

Confira no nosso artigo quanto leite a criança toma em cada idade. E, assim que possível, leve seu filho ao pediatra para obter informações mais precisas sobre a alimentação ideal para ele.

Enxoval

Pode ser que seu filho chegue com uma pequena muda de roupas ou simplesmente aquilo que está no corpo. O ideal é parar em uma loja ou pedir para alguém ir até uma para você e comprar algumas peças para começar a ter uma ideia do tamanho que ele usa (e que pode mudar muito de criança para criança, independentemente da idade).

Não tenha vergonha também de telefonar para todos os seus conhecidos que tenham filhos de idade parecida ou um pouco maiores e pedir doações de roupas usadas, ou até um empréstimo rápido.

Claro que tudo depende da época do ano e se está frio ou calor, mas a melhor (e mais prática) aposta são alguns macacões tipo pijama, com ou sem pé, bodies com abertura na gola para passar mais fácil pela cabeça, camisetas, casaquinho de moletom ou algodão e algumas calças também de moletom ou até jeans. Leia mais sobre como comprar roupinhas para o dia-a-dia do bebê.

Você também vai precisar de meias e sapatos bem molinhos ou uma sandália, fraldas de pano e lenços de boca para uso geral.

Para o banho, você pode até usar uma toalha que já tenha em casa, mas a vantagem das toalhas para bebês é que, normalmente, têm capuz e são feitas com uma camada extra de fralda por dentro, para serem mais macias para a pele.

Na hora de dormir, improvise com um lençol que já tiver até que saiba direito como serão suas acomodações para o soninho. Não se preocupe com travesseiros, porque eles não são essenciais para crianças pequenas e podem ser perigosos para bebês. Leia mais sobre como criar um ambiente de dormir adequado para o seu filho.

Móveis e carrinho

Procure encarar esse assunto o quanto antes, porque, dependendo de onde você comprar, pode demorar para que tudo seja entregue. O ideal é encontrar lojas que tenham pronta entrega e já levar para casa o que for possível e couber no carro.

Cômoda com gavetas para guardar roupas e usar como trocador em cima e berço para dormir são os itens mais indispensáveis.

Se seu filho tiver menos que 3 meses, você tem a opção de comprar primeiro um carrinho do tipo que deita para que ele use durante o dia e à noite também, assim pode pesquisar o preço de berços com mais tranquilidade. Se for maior, talvez não fique seja tão confortável e seguro para ele dormir muitas horas no carrinho.

Não se esqueça também de que o uso das cadeirinhas de carro é obrigatório. Pense nisso, se der, antes mesmo de buscar seu filho para levá-lo para casa (se não conseguir comprar a tempo, peça uma emprestada para amigos ou familiares, só se certificando de que ela é do tamanho certo para a idade e, principalmente, peso do seu filho).

Veja mais informações e sugestões sobre quais móveis comprar e como decorar o quarto do bebê.

Higiene

Se possível, pergunte para quem estava tomando conta do seu filho qual o tamanho da fralda que ele usa. Pare em uma farmácia, supermercado ou loja de bebês e compre alguns pacotes desse número, mas não faça grande estoque de uma vez.

Se não souber o tamanho, pese o seu bebê na farmácia e verifique na embalagem das fraldas qual é o tamanho mais adequado.

É bem provável que você tenha de testar algumas marcas diferentes para ver a que você gosta mais (que não vaza, não causa alergia ou irritação, cabe melhor etc.). Talvez você perceba que o tamanho afinal está pequeno (deixando a pele marcada) ou grande demais (vazando logo de cara), por isso não vale a pena comprar muitas fraldas de uma vez.

Você vai precisar também de algodão ou lencinhos umedecidos para as trocas de fralda, assim como sabonete infantil neutro (líquido ou em barra) para dar o banho.

Muita gente hoje em dia usa um balde especial (uma espécie de ofurô) para o banho de bebês menores, por dar uma sensação parecida ao útero. Se você quiser, pode dar uma olhada no formato desse tipo de balde e até improvisar com algo parecido que já tenha em casa ou seja fácil de encontrar.

Outra opção é comprar uma banheira tradicional, que dura mais tempo, só que tem a desvantagem de ocupar mais espaço.

Criança de 1 a 3 anos de idade

Alimentação

Crianças maiores que 1 ano geralmente já comem quase tudo, embora possam ser enjoadas para certos tipos de comidas. Não tem problema, arme-se de paciência e insista em uma alimentação saudável, rica em proteínas, fibras, frutas, legumes e verduras frescas.

Veja nossas sugestões de como lidar com crianças que estão abaixo do peso.

Conheça ainda os alimentos que podem ser perigosos para o seu filho. Quanto ao leite, agora você pode optar tanto pelo leite de vaca como pela fórmula láctea, conforme a idade dele.

Neste primeiro momento talvez você não tenha tempo de pesquisar muito os preços, porém não deixe de fazer isso quando estiver mais disponível, porque eles variam bastante.

Talvez você precise comprar também mamadeiras e bicos , dependendo de como ele foi acostumado até aqui.

Enxoval

Pode ser que seu filho chegue com uma pequena muda de roupas ou simplesmente aquilo que está no corpo. O ideal é parar em uma loja ou pedir para alguém ir para você e comprar algumas peças para começar a ter uma ideia do tamanho que ele usa (e que pode mudar muito de criança para criança).

Não tenha vergonha também de telefonar para todos os seus conhecidos que têm filhos de idade parecida ou um pouco maiores e pedir doações de roupas usadas ou até um empréstimo rápido.

Claro que tudo depende da época do ano e se está frio ou calor, mas a melhor (e mais prática) aposta são alguns macacões tipo pijama (ou pijama mesmo se a criança for maior), com ou sem pé, bodies com abertura na gola para passar mais fácil pela cabeça ou camisetas, casaquinho de moletom ou algodão e algumas calças também de moletom ou até jeans.

Você também vai precisar de meias e sapatos confortáveis ou uma sandália, além de fraldas de pano para uso geral.

Para o banho, você pode até usar uma toalha que já tenha em casa, mas a vantagem das toalhas para bebês é que, normalmente, têm capuz e são feitas com uma camada extra de fralda por dentro, para serem mais macias para a pele.

Na hora de dormir, improvise com um lençol que já tiver até que saiba direito como serão suas acomodações para o soninho. Leia mais sobre como criar rituais que o ajudem a pegar no sono e o que fazer quando ele não para de acordar à noite.

Móveis e carrinho

Procure encarar esse assunto o quanto antes, porque, dependendo de onde você comprar, pode demorar para que tudo seja entregue. O ideal é encontrar lojas que tenham pronta entrega e já levar para casa o que for possível e couber no carro. Cômoda com gavetas para guardar roupas e berço ou caminha para dormir são os itens mais indispensáveis.

Outra coisa que não pode faltar é um carrinho para vocês passearem por aí, dependendo da idade do seu filho, porque, tenha certeza, ele logo pedirá colo quando cansar de caminhar.

Não se esqueça também de que é obrigatório o uso das cadeirinhas de carro, então já pense nisso antes mesmo de buscar seu filho para levá-lo para casa (se não conseguir comprar a tempo, peça uma emprestada para amigos ou familiares, só se certificando de que ela é do tamanho certo para a idade e, principalmente, peso e a altura do seu filho).

Veja mais informações e sugestões sobre como decorar o quarto.

Higiene

É bem possível que seu filho use fralda, então confira com o local em que ele estava antes qual o tamanho da fralda, mas não faça um estoque muito grande de imediato.

Se não souber o tamanho, basta pesar seu filho na balança da farmácia, e verificar na embalagem da fralda qual o tamanho mais adequado.

Não compre muitos pacotes de uma vez. É provável que você tenha de testar mais de uma marca para ver qual prefere (que não vaze, não cause alergia ou irritação). Talvez você perceba que o tamanho afinal está pequeno (deixando a pele marcada) ou grande demais (vazando logo de cara).

Você vai precisar também de algodão ou lencinhos umedecidos para as trocas, assim como sabonete infantil neutro (líquido ou em barra) para dar o banho.

Caso seu filho já esteja em transição para o desfraldamento, prepare-se para um possível revés no assunto, já que, com tanta novidade na vida dele, talvez não seja uma boa hora para insistir na passagem para “criança grande”.

Para o banho, muitos supermercados e lojas de bebês vendem banheiras de plástico mais simples, lembrando bacias para lavar roupa (que você até pode usar se tiver uma, desde que limpe e depois esterilize muito bem com um pano umedecido com álcool).

Piscininhas de plástico funcionam bem como banheirinha. Se quiser dar banho de chuveiro, invista num tapete antideslizante para evitar escorregões.

Por Carolina Schwartz

Fonte: http://brasil.babycenter.com/a5400180/ado%C3%A7%C3%A3o-itens-b%C3%A1sicos-para-a-chegada-do-seu-filho#ixzz3JQ779Xfk

Adoção & Amamentação – sim é possível!

É verdade que dá para amamentar um bebê que foi adotado?

Sim, é verdade que uma mulher pode amamentar um bebê mesmo que ele não tenha saído da barriga dela. Por outro lado, pelo menos 50% das mulheres que tentam dar de mamar a um filho adotivo precisam complementar a alimentação com fórmula ou outros alimentos.

O que mais determina a produção de leite é o estímulo do bebê, quando ele suga o seio. Mas os hormônios que o organismo produz durante a gravidez ajudam a preparar o corpo da mulher para a amamentação, e sem eles é mais difícil dar início à produção do leite materno.

Não é complicado induzir a lactação, isto é, fazer as mamas de uma mulher começarem a produzir leite materno. Mas, no caso de adoção, o que atrapalha é a questão do tempo. Para garantir uma boa produção, o método mais eficaz é a mulher passar cerca de um mês usando uma bombinha profissional para estimular os seios.

631244f66efab586c8a33cd98e6462c3

Em casos de adoção, a chegada do bebê costuma ser inesperada, por isso é difícil se preparar com antecedência.

O mais garantido é pensar na amamentação como um bônus para você e seu bebê, mas não como a única fonte de nutrição. Existem alternativas de fórmulas em pó que vão manter o bebê saudável e forte. E qualquer pouquinho de leite materno que você conseguir produzir já trará benefícios extras para o bebê.

Seu ginecologista ou um especialista em amamentação podem ajudá-la na estimulação das mamas para produzir leite, mesmo que você só comece depois da chegada do bebê. Existem medicamentos que ajudam a aumentar a produção do leite materno.

Além disso, para incentivar o bebê a sugar no seu peito, há dispositivos que se parecem com pequenos “caninhos” e que levam o leite até bem pertinho da sua mama. Assim, o bebê suga o seio e recebe leite de verdade (a fórmula), enquanto você não produz o suficiente. De qualquer jeito, é uma maneira de mantê-lo pertinho de você.

Esses dispositivos podem ser alugados em locais que possuem bombinhas tira-leite e ordenhadeiras profissionais na sua cidade. Você pode se informar numa maternidade ou então no banco de leite mais próximo.

Mesmo que você vá alimentar seu filho basicamente com mamadeira, aproveite o momento das mamadas para ficar bem próxima dele como ficaria se estivesse dando o peito, o que vai colaborar para o surgimento do vínculo mãe-filho entre vocês.

Fonte: http://brasil.babycenter.com/x5400189/%C3%A9-verdade-que-d%C3%A1-para-amamentar-um-beb%C3%AA-adotado#ixzz3JQ1DYZmm

Adoção – Nós podemos fazer um book da Gestação do Coração!

Queridos, olha que legal o post da Pri do blog Mamy Antenada dando continuidade ao nosso post sobre o book fotográfico da gravidez da adoção! Fiquei muito feliz em saber que as ideias estão saindo do papel!!! Vamos lá, o desafio continua! Enviem as fotos para luciane@gravidezinvisivel.com. Estamos aguardando as fotos!!! Beijos com carinho, Lu.

Post original do blog Gravidez Invisível: http://gravidezinvisivel.com/book-fotografico-gravidez-do-coracao/

Olá Pessoal!!

Na semana passada, no mesmo dia em que eu contava aqui no blog que eu me sentia mais gravida do que nunca, após sair da entrevista com a assistente social da vara de infância e juventude, a Lu, do Blog Gravidez Invisível, publicava esse post: Adoção: Sim, nós também podemos fazer um book fotográfico.
Achei simplesmente divina a ideia, e confesso que por aqui, nunca tinha ouvido falar, somente dos ensaios de gestante e new born.
E saí procurando no pinterest mais Inspirações para esse book.
Fiquei completamente animada para fazer, mas ainda não sei se poderei investir um dimdim para fazer uma coisa mais profissa, os planos estão a mil por aqui e o orçamento tá na linha verde, mas para pular para o vermelho é um já, rsrsrs!
Mas quem sabe, vou tentar espremer daqui e dali para fazer algo tão lindo quanto essas fotos!
Quanta lindeza!!
E aí, se animou para fazer um book de boas vindas para o baby?!
Com fotos profissa ou não, essa é uma maneira de comemorarmos a nossa escolha, a nossa opção de sermos pais sem medo ou vergonha de julgamento!! Celebrar a nossa felicidade!!
A Lu está lançando um desafio, de compartilhar, la no Blog Gravidez Invisivel, a foto da sua gravidez do coração! É só enviar para luciane@gravidezinvisivel.com, com o nome e uma breve descrição.
Vamos participar?!
Bj Bj

Entrevista sobre adoção no Blog “Just Real Moms”

Bom dia queridos,

Hoje saiu uma entrevista que dei para o Blog “Just Real Moms”.

logo-header

É a primeira vez que compartilhamos tantos detalhes da nossa história, esperamos que sirva de exemplo para as famílias que estão pensando na adoção como um caminho para a maternidade/paternidade!!!

Desejo de coração que mais uma vez contribua para a nova cultura da adoção no Brasil. Segue link:

http://www.justrealmoms.com.br/luciane-moreira-cruz-da-as-dicas1/

Beijos com carinho,

Luciane

Gravidez Invisível no blog Mãe de Guri – Um post sobre Adoção e o parto do coração!

Olá queridos,

Compartilhei um pouco de como foi o meu parto do coração com a Angi Simon do blog Mãe de Guri. Acessem lá, compartilhem!!! #novaculturadaadoção #gravidezinvisível #adoçãoéamor #adoçãoamoremação #adoption

Parto do Coração

Abaixo meu texto na íntegra, mas leiam o depoimento dela no link, é lindo!!

“Gravidez do coração” e “parto do coração” são termos utilizados pelas famílias que vivenciam a maternidade/paternidade através da adoção. Tentarei aqui explicar sobre este período com o objetivo de esclarecer esta fase tão especial para os pais adotantes e também para os familiares e amigos próximos.

O que quer dizer esta tal gravidez do coração? Bom, posso começar dizendo que ela é mais real que parece.

Segundo o dicionário Aurélio a palavra gravidez significa o estado de uma mulher grávida, gestação. Já a palavra coração quer dizer: é um órgão musculoso, centro do sistema de circulação do sangue, conjunto de sentimentos, centro da sensibilidade, da afeição, do amor. Objeto do afeto de alguém. Consciência ou memória. Conjunto de características morais ou psicológicas. Coragem, valor. Parte mais interior de algo. Parte mais central ou mais importante de algo.

Analisando o significado de ambas as palavras consegui desenvolver a seguinte explicação para a gravidez do coração:

“A gravidez da adoção se dá no coração, este órgão que fica localizado no peito e que está cheio de sentimentos, sensibilidade, afeição e amor por um ser que não foi gerado embaixo dele (na barriga), mas DENTRO dele. Temos consciência da realidade desta gestação, adquirimos muita coragem para enfrentá-la e aprendemos a mensurar o seu valor durante o tempo de espera.”

Falando de parto, sabemos que existem diversos tipos, normal, cesárea, humanizado, e, também o parto do coração. Todos estes partos tem como pré-requisito saúde física e mental para serem bem-sucedidos. Para aqueles que não tinham ideia da existência deste último tipo de parto, fico feliz em saber que a partir de agora ele não será mais ignorado ou subestimado.

Como colocar em palavras as sensações de um parto invisível aos olhos humanos? Como já passei por um parto do coração, farei o possível para torná-lo compreensível.

Quando recebemos a ligação da pessoa que está intermediando o processo de adoção, com a informação positiva de que chegou a nossa vez, é como se estivéssemos entrando em trabalho de parto. Neste momento sentimos uma emoção incontrolável, nervosismo à flor da pele, felicidade sem tamanho. Porém, também é um momento delicadíssimo pois nesta hora percebemos que o nosso filho está sob os cuidados de outra pessoa. E, muito provavelmente, ainda não temos todas as informações necessárias para ficarmos mais tranquilos, e pensamos em todas as possibilidades, como por exemplo: Será que está em um abrigo passando frio? Está bem alimentado? E se ainda está no hospital, será que está com algum problema de saúde? É muito importante nesta hora tentar manter a calma e o auto-controle para aguentar todas estas contrações da mente, e focar no próximo passo, o parto.

Até o momento do grande encontro, o nascimento, nosso coração fica como aquela música da Marisa Monte que diz “O meu coração é um músculo involuntário e ele pulsa por você…”, e é bem assim, mas ele pulsa tanto que parece que vai sair pela boca, sem exageros!!!

O rompimento da bolsa se dá quando chega o momento de sair de casa para ir ao encontro deste amado filho. O líquido amniótico é o amor que não conseguimos mais conter e começa a transbordar do nosso peito. Enfim, é chegada a hora do parto! Quanta dor, quanta angústia, quanto medo, mas na hora em que o nosso filho nasce, na hora em que encontramos ele pela primeira vez, toda a dor desaparece. É o milagre da vida!!

Me lembro como se fosse hoje, eu e meu marido no carro, indo ao encontro do nosso primogênito. Parecia uma cena de filme. Em meia hora passou um resumo de toda a nossa espera na minha mente. Na hora do nascimento, no momento em que ele foi colocado nos meus braços, eu o aproximei do meu peito e sussurei para ele: “Nós te esperamos tanto meu filho, tenha a certeza que você já é muito amado!”. Ao meu redor parecia que tudo estava parado e em silêncio, mas eu sabia que os céus estavam vibrando com mais uma família formada pelas mãos de Deus. Lágrimas escorrem do meu rosto só de lembrar deste momento lindo, único, abençoado. Sempre digo que foi como se eu tivesse recebido um beijo do céu. (Faço referência aqui ao livro “O beijo do céu” da Darlene Zschech)

Quanto aos cuidados do pós-parto, os pais também devem ter uma boa alimentação e descansar pois passaram por um nível elevadíssimo de estresse e precisam estar bem dispostos para estes primeiros dias com o tão sonhado filho. Este início é essencial para a conexão entre os pais e o filho. Apesar da grande ansiedade da família e amigos mais chegados, é primordial que seja reservado a maior parte do tempo somente entre os pais e a criança. Segundo a Dra. Bobbi J. Miller, terapeuta especialista em adoção da Universidade de Saint Louis, “A criação do vínculo faz parte de uma construção de relacionamento. Isso leva tempo, e está ok. Na verdade, muitos pais biológicos também dizem que não sentem o vínculo imediato como pensavam que teriam. Frequentemente este vínculo leva alguns dias ou semanas de cuidado com a criança – alimentação, vestuário, troca de fraldas – para que o laço eterno seja formado”.

Meu anseio é que após a leitura deste texto você tenha entendido um pouco mais sobre o parto do coração. Espero ter colaborado para a elucidação dos fatos, tornando este processo invisível mais visível para os pais, familiares e amigos mais chegados.

IMG-20130124-WA0003

Com amor,

Luciane

Luciane Moreira Cruz, esposa, mãe, profissional da área de Administração e Finanças. Também é autora do blog “Gravidez Invisível” que tem por objetivo principal desmistificar a maternidade através da adoção, visando contribuir para a nova cultura da adoção no Brasil. Atualmente tem se dedicado ao seu primeiro livro que leva o título do blog.