Depoimentos

Este é um espaço para você desabafar, dar seu relato, contar sua história.

Deixe seu depoimento nos comentários que ele será publicado neste página.

Fique à vontade!family-therapy-meetings

Anúncios

80 comentários sobre “Depoimentos

  1. Hoje é um daqueles dias em que se pensa e repensa mil vezes nessa espera… Será que meu filho/a tá bem? Será que já nasceu? Será que tá em abrigo? Sofreu maus tratos? Meu Deus, aonde quer que nosso pequeno esteja, que a Tua mão o alcance e proteja…. Amém.

      • Oi, estou em uma situação difícil, acabei de descobrir que estou gravida, ainda vou fazer um mês. contei para o pai do meu filho e ele não aceita por ser um homem casado ( vim descobrir a pouco tempo que ele é casado e me enganou). Ele ta fazendo de tudo para eu tira e disse se eu continuar com a gravidez e acaba com o casamento dele vai me denúncia. To muito nervosa e não sei o que fazer. Não posso contar que to grávida a minha família pq ja tenho um filho pequeno. Então pensei e coloca ele para adota já que não tenho condições de criar um outro filho e não teria apoio da minha familia. Preciso de alguém que autorize caso queira adoção da criança a fazer o acompanhamento longe da minha familia. Precisaria passar os 8 meses que falta distante deles sem ngm saber e quando eu tiver a criação eu volta para casa. Me ajude por favor. Pq to vendo a hora do pai do meu filho me dopar e me fazer tomar um monte de medicamentos. Prefiro ver ele vivo com uma boa família.

        • Amanda, a primeira coisa que você tem que fazer é procurar a assistente social na vara da infância (fóro) da sua cidade e pedir para conversar em sigilo. Ela não pode repassar a informação para ninguém da sua família então vai te ajudar com o processo de entrega da criança para adoção e o período da espera. Tenta contato com ela e se por acaso não conseguir suporte me fala que procuramos alguma ong na sua cidade. Boa sorte e Deus te abençoe. Luciane

  2. E proteja para a vida toda…algumas dúvidas que surgiram durante a nossa espera se repetiram quando o nosso telefone tocou, foi exatamente isso que sentimos: Será que nosso filho está dormindo agora? Sendo bem cuidado? Por quais situações já passou? Mas Deus cuidou dele, de nós e continuará nos protegendo para a vida toda. Ele conhece os desejos do nosso coração…Amém.

  3. Será que está funcionando a nova Lei de Adoção?
    – A CADA SEIS MESES A SITUAÇÃO DA CRIANÇA SERÁ REAVALIADA;
    – A PERMANÊNCIA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM PROGRAMA DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL NÃO SE PROLONGARÁ POR MAIS DE DOIS ANOS.

    Falam de mudança de perfil de quem quer adotar, mas esquecem da demora em liberar as crianças para uma família substituta. Dão preferência a família sanguínea, na qual ninguém tem interesse, perdem tempo, enquanto muitos casais esperam na fila de adoção. O amor deveria falar mais alto do que o sangue. Conheço alguns casos de vários irmãos que tiveram que esperar uma tentativa frustrada de volta a um ambiente em que não pertencem mais. É certo causar sofrimento para estas crianças? Elas só querem um lar…Lutando por vidas neste momento, que Deus nos ajude…

  4. Pois é… olha eu penso que se uma mãe não aparece no dia seguinte já é resposta que não quer mais o filho. Se os parentes não foram atrás em alguns dias ou até 1mês, também não querem. Ok, tem parentes mais distantes que talvez não saibam da criança, mas 2 – 3 anos pra achar estes familiares é um pouco demais… o que vale mais, uma família ou laço de sangue? Sinceramente isso é bem incoerente considerando que dizem que estão preocupados no melhor para criança… será que esperar num abrigo durante anos é melhor do que ter uma família (adotiva) que o ame?

    • Penso exatamente a mesma coisa,pois acho muito tempo ter que esperar até 2 anos a familia biológica se decidir é ridiculo!!!!!!,Quem quer um filho,pelo ao menos vai visitá-lo no abrigo ,mas na maioria das vezes as crianças ficam lá abandonadas sem carinho,proteção,sem figura paterna e materna ,enfim,sem um lar de verdade.Acho que em 6 meses no maximo se sabe se alguem da familia biologica vai se responsabilizar pela criança,então se isso não acontecer deveria ser obrigatorio a destituiçao desses irresponsáveis que só sabem fazer filhos e largarem pra quem quiser tomar conta(no caso elas sabem que existe casas lares que vão acolher,então assim é facil se encher de filhos,quem precisa passar por assistente social e cursos para ser aptos não somos nós que queremos dar um lar decente e amor pra essas crianças e sim esses irresponssáveis biológicos que não sabem o que é ser mães ou pais.Estou também aguardando minha vez chegar,não sei quando mas não vou perder as esperanças que tenho em Deus!

  5. Sinceramente não entendo como algumas pessoas podem pensar que filho do coração é um filho inferior ou falso, quando questionam: Mas você não quer um filho de verdade? Como assim? Meu filho será de mentira?

    • Oi, Lu. Também estou grávida de coração. A nossa diferença é que já tenho uma filha biológica, o amor da minha vida. Agora estou esperando meu próximo amor. Ouço muito esse comentário e me sinto exatamente como vc em alguns momentos. Sei que meu filho já me espera, mas está em algum lugar, e eu estou à sua espera tbm. Minha filhinha já está preparada e a mais dura tarefa foi fazer a família toda aceitar o caminho que a nossa família decidiu. Vamos gestando nossa esperança. Beijo grande. Luciana.

  6. “Não existem “filhos adotados” existem crianças para serem adotadas. Quem é filho, é filho. Quem não pensa assim, não pode adotar, pois jamais será pai ou mãe. Não confunda paternidade com assistência social.” by Villy Fomin – peguei do teu face Lu Reinke!

  7. oi, meu nome é Marisa, eu acabei de fazer fertilização in vitro e não deu certo, eu tenho um problema no ovário e diante dos médicos é impossivel a possibilidade de engravidar… então estamos pensando em adotar, mas ainda estamos no estágio da dúvida , medo….

  8. Estou tão triste… já estou na fila da adoção há quase dois anos, e até agora nada. Não aguento mais minha casa tão vazia… me dói ver casais com filhos nos shoppings… tudo poderia ser mais fácil se a burocracia não fosse tão grande. Se houvesse real interesse de promover adoções.
    Eu me sinto tão só… tenho meu marido, mas falta algo (ou melhor, alguém) muito importante… a nossa criança…

    • Oi Karla, eu sei o quanto é difícil esta espera… o nosso “pré-natal” é longo demais….. já pensou em fazer o “pré-natal” com uma psicóloga? Eu posso te dizer que por experiência própria ajuda muito…. Que Deus renove tuas forças todos os dias. Não perca a fé. Na hora certa teu filho estará nos teus braços! Com amor, Luciane.

  9. Oi, também estou na fila da adoção tem 01 ano ( de habilitados), mas 01 ano e 07 meses desde que demos entrada nos papéis, e realmente tem sido agustiante por vezes essa espera, só Deus para nos dar forças e continuarmos para não desistir do nosso sonho que é esse filho ou filha, é tão bom quando encontramos pessoas que pensam da mesma forma como nós em relação a adoção e ter com quem compartilhar sentimentos é uma maneira de aliviar esse sentimento e nos mantermos mais firmes e fortes nessa caminhada, que Deus nos ajude .

  10. Oii só queria deixar aqui meu agradecimento à ti por fazer esse blog tão lindo e inspirador !! Estou grávida de ❤ à quase dois meses e a ansiedade já me domina , aqui consegui aliviar um pouco e perceber que eu não estou sozinha !! Continue esse trabalho lindo , e quero pode postar aqui a foto dos meus abençoados filhos ! :*

  11. Oi Lucianecruz, eu descobri por acaso seu trabalho e amei a ideia. Eu achei super criativo você colocar todas as pessoas que estão na fila de adoção como uma gravidez comum, como qualquer outra. As pessoas tratam os filhos adotivos como sendo menores, é isso me incomoda demais.
    Eu tenho 3 filhos, eu adotei os três com 12, 10 e 8 respectivamente, eles chegaram a pouco tempo na minha vida, mas eu tenho por eles um amor maior que o tudo, eles são maravilhosos, lindos, carinhosos, se eu for falar……. nossa!!! Eles são irmãos e eu fiz o que eu nunca pensei que iria fazer na vida, adotar 3 crianças é fazendo uma adoção tardia, mas eu me apaixonei por eles. Eu quando entrei na fila de adoção eu queria o que a maioria dos casais querem, um recém nascido, mas com acompanhamento e vendo a situação da adoção no Brasil eu alterei meu perfil para crianças maiores, é foi a melhor coisa que eu fiz. Hoje minha família e maravilhosa, graças ao amor da adoção!!!! Porque adoção e você abrir o coração e se entregar para algo grandioso, um amor que é maior que sangue, um amor que vai muito além da alma. Abraços . Elita Paula.

  12. Oi Luciane eu sou apaixonada pelo seu blog e acompanho as suas postagens no Facebook. Estou juntando a documentação para dar entrada no processo, na verdade só falta o atestado médico… mas a ansiedade já me consome rsrs. Já sonho com o meu filho ou filhos (pois eu e meu marido estamos aceitando até 02 irmãos). A família materna e paterna já esta preparada e tbm ansiosa para a chegando dos nossos herdeiros. Sonhos, e sonhos e uma fé enorme no cara lá de cima é o que nos ponhe de pé.

  13. Olá meu nome e Nayara sou casada 8 anos e deis de pequena sonhava em me casar e logo ter filhos essa sempre foi minha vontade bom cresci me casei com amor da minha vida ele também sempre quis ser pai sempre falávamos no assunto antes de casar fazíamos planos de como seria nossa vida com nossos filhos bom logo após meu casamento comecei a tentar engravidar e nada todo més era um martilio aquela ansiedade e nada ate que dessidi ir ao medico e la veio a pior noticia que poderia ouvir na minha vida nunca poderia gerar um filho a veio a sençâo de vazio nada te completa chorei por dias fiquei deprimida me sentino a ultima das mulheres ate que uma amiga me disse não vai te levar a nada ficar assim vc não pode gerar um filho no ventre mais nada te empede de gerar um filho no coração dai parei pensei um pouco e vi qui havia uma solução conversei com meu esposo e ele concordou com um filho do coração já que temos tanto amor pra dar sei que deus com sua infinita sabedoria sabe o que faz e sei que ele preparou algo especial para nos já fomos atrás de do que e preciso para adotar e vamos dar entrada no processo fiquei feliz em achar esse blog que tem pessoas que palas mesmas situações que a gente não tá sozinha um abraço Luciane

    • Oi Nayara, isso mesmo, filho é filho não importa o tipo de parto. A gestação do coração tem suas ansiedades mas também tem suas alegrias. Desejo que vocês realizem o sonho de vocês no tempo determinado por Deus. Já deu entrada na habilitação? Beijos Lu

  14. Linda história amiga,a minha é praticamente igual ! E fico feliz que nós iremos SIM gerar uma vida,independente de onde sair !! Bem vinda e vasculha todo blog porque ele tem maravilhas de acalmar o coração ! Bom a Luciane é uma pessoa abençoada por Deus por nos proporcionar onde desabafar e onde aliviar ansiedade !! Uma boa gravidez pra ti !! Eu já estou de 1 dia ,minha habilitação saiu ontem ❤ Beijoos

  15. Oi Luciane obrigada ainda não dei entrada na habilitação falta alguns documentos meus como não moro em cidade natal tem que ir ate lá mais já fui ao fórum da minha cidade pra saber o que e preciso e já fomos convidados para nossa primeira reunião to muito feliz!bjos

  16. Bom dia gurias tudo bem ? Vim aqui deixar um texto que achei em um blog e me emocionei muito !
    Acho que descreve bem oque todas nós estamos passando.Então aí vaaaiii …

    Quando eu falo a palavra gravidez o que vem à mente de quem lê: uma mulher com uma barriga enorme!
    Sempre relacionamos palavras a imagens, entretanto as palavras nem sempre relacionam exatamente a apenas uma imagem. A palavra ‘banco’, por exemplo, sem nenhuma outra referência pode remeter a um banco de jardim embaixo de uma árvore numa praça ou a um banco financeiro. A imagem vai depender do foco de quem está lendo certo? Nem sempre!

    Com a palavra gravidez é assim: você lê a palavra e a imagem é de uma mulher barriguda. Não tem como fugir disso, entretanto se falarmos em esperar um filho a figura associada muda? Para a maioria das pessoas não!
    Quando eu digo que estou esperando mais um filho as pessoas me perguntam de quantos meses eu estou. Se eu falo que são, aproximadamente, 48 meses as pessoas mudam de assunto. Não sei, mas acham que estou debochando, entretanto eu estou esperando outro filho há aproximadamente 48 meses mesmo!

    A sociedade ainda não assimilou o sentido de esperar um filho, de estar grávida do coração. Por conta disso podemos esperar nossos filhos por 3, 4, 5, 10 anos e quando eles chegam é como se tivessem aparecido por encanto, assim ‘do nada’.

    Vamos fazer uma analogia: gravidez biológica x gravidez do coração.
    Na gravidez biológica a barriga cresce e, via de regra, dura 9 meses ou 42 semanas! Todo mundo participa, compartilha da felicidade da futura mãe, ansia pelo momento de ver a carinha do bebê, sonha com o momento de poder visitar, planeja presentes e tal. Essa é a parte social: amigos, parentes, colegas de trabalho, vizinhos, todos se envolvem com a barriga, todo mundo sempre tem algo positivo ou alguma recomendação para dar sobre o bebê e isso é legal, afinal de contas uma nova vida que chega é sempre motivo de festa. Como diz a famosa marca de fraldas: é um pequeno milagre que vem ao mundo!
    A mulher grávida fica sensível pela mudança hormonal e também pela mudança real que terá em sua vida e família em poucos meses. Terá uma pessoa a mais em casa, uma pessoa totalmente dependente dela e ela passará a ter que zelar pela saúde e bem estar desta pessoa! A mulher grávida sente felicidade por estar grávida, mas conforme a barriga vai crescendo ela sente ansiedade, medos dos mais variados, tem sonhos sobre como será o seu bebê, que carinha vai ter. Tem fantasmas que povoam sua mente: como será quando chegar o momento? vai dar tudo certo? o médico estará disponível?, o hospital terá estrutura suficiente se o bebê tiver algum problema?, ele terá saúde?, terá todos os dedinhos? e se não chorar na hora que nascer? e se não me mostrarem e depois trocarem meu bebê? e se depois que chegar em casa eu não souber cuidar? e se eu não conseguir amamentar? e se o leite for fraco? e se…e se…e se? Na cabeça de uma gestante, por mais que ela se cerque de todas as garantias e tenha certeza que está tudo certo passam todas essas perguntas e muitas outras mais.

    Na gravidez do coração a barriga não cresce, o tempo de espera é indeterminado, praticamente ninguém participa da felicidade da futura mãe, pouquíssima gente se lembra que ali naquela família em algum momento vai haver uma criança nova para ser visitada. Colegas de trabalho, vizinhos, amigos e conhecidos: quase ninguém se envolve com a mãe na espera e mesmo assim, como diz a famosa marca de fraldas, este filho, assim como o biológico, é um pequeno milagre que vem ao mundo!
    A grávida do coração fica sensível também. Para ela não existem mudanças hormonais, mas as mudanças emocionais são tais e quais as da grávida biológica: ela sabe que terá uma pessoa a mais em casa, uma pessoa totalmente dependente dela e ela passará a ter que zelar pela saúde e bem estar desta pessoa! A mulher grávida do coração sente felicidade por estar esperando um filho, e mesmo sem barriga crescendo ela sente ansiedade e medos dos mais variados, tem sonhos sobre como será o seu filho que pode não ser um bebê, tenta imaginar que carinha vai ter. Tem fantasmas que povoam sua mente, também: como será quando chegar o momento? vai dar tudo certo? o fórum ai demorar para ligar?, o abrigo estará cuidando bem da criança?, será perfeitinho? e se não gostar de mim?, e se depois que chegar em casa eu não souber cuidar? e se eu não conseguir alimentar? e se…e se…e se? Na cabeça de uma grávida do coração, por mais que ela se cerque de todas as garantias e tenha certeza que está tudo certo passam todas essas perguntas e muitas outras mais.

    É possível perceber que existe uma diferença fisiológica grande entre a grávida biológica e a grávida do coração, entretanto na parte emocional não é muito diferente, salvo algumas peculiaridades inerentes a um estado e a outro.
    Mesmo para se engravidar, seja biologicamente, seja do coração existem alguns caminhos muitos semelhantes:
    – grávida biológica antes planeja o filho, para com o contraceptivo, engravida e espera.
    – grávida do coração antes planeja o filho, preenche um monte de papéis, entrega no fórum e passa por processo de avaliação (fase de parar os contraceptivos e engravidar!), se habilita (engravida!) e espera.

    Se por um lado na parte emocional não existe muita diferença, na parte social existe um abismo!
    Uma grávida do coração não ganha um filho ‘do nada’! Ela faz uma espécie de pré-natal no fórum que não é para garantir a saúde da criança e um bom parto, mas sim para terem a certeza de que ela tem saúde física e mental para ter a criança. Ela passa por uma espera tão angustiante quanto a da grávida biológica entretanto a espera dela tem prazo para começar e não tem prazo para terminar.
    A grávida do coração não recebe paparicos, salvo excessões não ganha mimos para o filho e não tem muito direito de falar sobre suas ansiedades sob pena de ser taxada de obsessiva e só falar nesse assunto. Isso na melhor das hipóteses, porque se para a grávida biológica todo munto tem algo positivo para falar sobre o filho vindouro, para a grávida do coração boa parte dos conselhos são temerários!
    A grávida biológica pode reduzir seu grau de ansiedade descobrindo o sexo do bebê para fazer o enxoval e o quarto, a grávida do coração sequer pode fazer enxoval a menos que tenha um perfil muito restrito, o que aumenta muito sua ansiedade.

    Com essa analogia quero orientar o seguinte:
    1. quando souber que uma pessoa está esperando para adotar, lembre-se que a barriga não está crescendo, mas esta pessoa está grávida emocionalmente tanto quanto uma que carrega o filho na barriga;
    2. O filho recém-chegado de uma mãe do coração não surgiu ‘do nada’! Ela possivelmente esperou muito mais tempo do que uma gravidez biológica regulamentar;
    3. Toda grávida precisa de atenção com relação à sua espera e com a grávida do coração não é diferente.
    4. A grávida do coração não é obsessiva, ela tem um grau de ansiedade um pouco maior porque sua espera é um pouco maior também;
    5. Quando uma pessoa opta pela adoção ela está envolvida com a chegada de um filho e é crueldade com o seu emocional discursos preconceituosos sobre a origem da criança e seu possível futuro tenebroso. Ninguém cogita com uma grávida biológica que o filho dela pode vir a ser um marginal, um bandido, que possa matar toda a família num acesso de revolta ou de ingratidão e ninguém tem garantias que isso não vá acontecer com um biológico, nem tampouco que vá acontecer com um adotivo!

    Espero que vcs gostem !
    Um beijo .

  17. Olá Meninas!
    Muito lindo e cheio de amor o Gravidez Invisível, parabéns Luciane pela iniciativa. Já visito há algum tempo, mas só agora cliquei e descobri esse espaço.
    Estamos grávidos há 1 ano e 2 meses. Por vezes me sinto ansiosa, pensando como vai ser, como ele ou eles serão, mas também acho que essa espera serve para amadurecer esse amor. Tudo acontece no momento que precisa acontecer, então acredito que na hora certa, nossa família estará completa e enquanto isso, aproveitamos nosso casamento e nossa vida do nosso jeitinho.
    Há exatos 2 anos atrás, nós perdemos nosso filhinho com 39 semanas de gestação, logo depois eu precisei fazer uma histerectomia (retirada do útero) por conta de uma complicação pós-parto. A dor foi muito grande, a dor da perda é imensa e sem dúvida vamos carregá-la no nosso coração para sempre. No entanto, nós sempre tivemos uma certeza: queríamos ter uma família! A forma que nossos filhos chegariam era indiferente, não precisamos de cor de pele, traços ou qualquer outra semelhança física para amar nossos filhos. Então, logo depois que o nosso Antônio virou um anjinho, seguimos o nosso caminho para esperar seus irmãos não dentro da barriga, mas dentro do coração.
    Um beijo para todas essas mamães que ESCOLHERAM ser mães, que mesmo diante de tantas adversidades que o caminho da adoção nos propõem, seguimos firmes com nosso sonho de DAR AMOR aos NOSSOS FILHOS.

  18. eu e meu marido estamos cadastrados há quase 2 anos no CNA (Cadastro Nacional de Adoção) mas ainda temos algumas dúvidas, já que infelizmente nos sentimos órfãos em relação as informações e a maneira como são passadas pela “nossa” Comarca e como somos tratados a última vez que estive no Fórum para sanar essas dúvidas perguntei “nossa posição na fila” eramos o casal 100º, questionei se “aparecesse” alguma criança de outra comarca/cidade como deveria proceder… O que me falaram ” – Senta e Espera, é o melhor que vc pode fazer, porque se vc for para outra comarca o juiz pode entender que você esta burlando a fila e tomar a criança de você…”… Toda nossa família e amigos sabem que “estou grávida” uma gravidez diferente (Gravidez Invisível) esperando nosso presentinho chegar, e diante disso conhecidos chegaram e falam conheço fulana que esta gravida e quer dar o filho você não quer? Liguei / Fui no Fórum para saber como deveria proceder diante dessa situação para fazer tudo certinho… e me senti como se eu estivesse fazendo algo errado, fiquei com medo, porque fazem um terror, a forma como falam (tom) me incriminando como se eu já tivesse pego a criança, como se eu fosse uma sequestradora… O que me falaram “- o melhor que vc tem a fazer é, não fazer nada, não pega essa criança de jeito nenhum, por que se não o juiz tira vc do CNA e aí que nunca mais vc vai poder adotar uma criança”… não era essa a minha intenção, se estava indo lá em busca de informação porque quero fazer a coisa certa… e sai de lá como se já tivesse feito algo de errado…
    Me senti muito mal, por não poder fazer nada pela pessoa/mãe que queria dar o filho, pelo bebê-chorei dias; depois fiquei sabendo que a menina deu no hospital mesmo uma enfermeira “pegou” e tendo conhecidos no fórum conseguiu regularizar a situação mais fácil… A decepção vem e bate forte… poxa quantas pessoas irão passar na minha e de outras pessoas que estão na fila fazendo a coisa certa, se sempre tem alguém para dar um jeitinho… (desabafo)
    Minha dúvida continua se “aparecer” uma criança de outra comarca/cidade posso adotá-la? como devo proceder legalmente o que devo fazer?

    • Fabiana,
      Tb não sei o q fazer se “aparecer” uma criança e nós queremos fazer tudo na legalidade.
      Uma coisa vc está certíssima … as vezes me sinto uma vilã … qdo faço algumas perguntas para as assistentes sociais da Vara.
      Elas nos tratam como se fossem as donas da verdade.
      Consegui tirar todas aquelas certidões de antecedentes criminais e cíveis … de graça, mas todas as vezes que perguntei … as Assistentes me respondiam … “-Se preparem para gastar um dinheiro.”

      Tudo mentira … meu marido descobriu q nem é preciso mostrar atestado de pobreza … para adoção … por lei … estas certidões deve ser emitidas de graça.

      Então … diante de tanto descaso … só te digo uma coisa: se uma criança aparecer na sua frente … com a mãe biológica querendo te dar … arranja um advogado de direito de família e pede para ele entrar com um processo … a mãe biológica deve declarar que ela abra mão da maternidade e que ela entregou o filho pra vc por livre vontade.

      Sou super certinha com tudo, mas eh muito triste a forma como psicólogas e assistentes sociais nos tratam nesses lugares.
      Tomara que sua criança chegue logo! Boa sorte!

  19. Finalmente depois de juntar tanta papelada, dei entrada no nosso processo de adoção. Foi na 1a. Vara da Infância e da Juventude no Rio de Janeiro – Pç Onze.
    Nem sei ainda qto tempo vai levar para que eu e meu companheiro fiquemos habilitados no Cadastro Nacional de Adoção, mas hoje depois de entregar tudo … tive vontade de chorar.
    Não sei de emoção ou medo de estar faltando alguma documentação que impeça o nosso processo de andar.
    Emoção? Medo? Tristeza? Nervoso? Alegria? Vitória? Não sei.

    Buscaria uma criança em qualquer lugar no Brasil ou no Mundo … em Manaus, Roraima, Passo Fundo, Acre … China, Índia, ou em qualquer lugar.
    Pode ser preta, amarela, branca, ruiva, cabelo duro, cabelo liso … não me interessa. Vamos amá-la e educá-la. Sei que teremos momentos difíceis, mas não importa. Quero viver isso!
    Mas queremos que seja pequena, e sei q isso dificulta ainda mais as nossas chances. Mas queria bem pequenininha … pra poder dar mamadeira, trocar fralda, perder o sono, chorar de tanto cansaço que dá … pra cuidar de um recém-nascido.
    Quero ver a criancinha crescer, engatinhar, tropeçar, cair de bunda no chão … experimentar novos sentidos … novos gostos.
    Será q quero demais?

    Se alguém conhecer alguém q não queria o filho(a) … fala que eu quero!!!!

  20. Bom dia meninas !!
    Encontrei esse blog fazendo pesquisas sobre adoção , teoricamente não recebi meu positivo ainda porque vou dar entrada no processo de adoção nessa segunda feira porém anciosa e com o coração cheio de esperança aguardando a chegada do tão desejado e sonhado filho
    Tenho obstrução bilateral já fiz uma fertilização em vitro sem sucesso, engravidei espontânea e tive que fazer uma curetagem pois desenvolvi mola hidatiforme meu marido sempre falou pra mim que mãe é a vida toda e não 9 meses que o importante era ter um filho não importa como vai vir pois o nosso amor é incondicional e supre toda a importância da genética . Resolvemos então partir pra adoção

  21. Oi Luciane… Eu e meu marido passamos por uma gravidez invisível…. Um ano de processo e um ano de espera; Realmente a gestação adotiva é um processo complexo, mas que envolve os mesmos medos, angustias, projetos de futuro e alegrias esperadas como uma gravidez normal, só que em um período maior de tempo. Para mim o período mais difícil apos a chegada do nosso filho foi o primeiro mês, quando você não se enxerga da criança. Hoje, passado 1 ano e dois meses da chegada do Ramiro, tenho certeza que ele é nosso e que o cara lá de cima achou o caminho para que ele viesse até nós. Amo meu filho e espero dar ele todo o suporte para ser uma criança feliz, honrada, carinhosa….

  22. Oie!!.. Como teu blog tem me ajudado!! Mas como essa espera é difícil… e solitária… tem dias que não quero nem falar no assunto… outros é tudo que eu quero… falar… principalmente pq estou nessa sozinha… sou solteira, mas quero ter minha família, então resolvi ir à luta mesmo sozinha…
    Enfim, já acompanho tua página aki e no face há um tempo…. espero q saiba o quanto esse apoio é importante pra tantas pessoas, tão diferentes e em tantos lugares… bjks…

  23. Oi querida, fico feliz que vc tenha se sentido à vontade para desabafar aqui. Que situação delicada vc está passando. Você sabia que a assistente social da vara da infância da sua cidade pode providenciar acompanhamento psicológico para vc? Isso não vai atrapalhar em nada o processo de adoção pois já que vc vai entregar a criança para um familiar seu, o processo é de adoção consensual. Existe alguma possibilidade do seu irmão mudar de casa? Acho que pelo menos no início seria melhor né? Já que eles querem adotar a criança, conversa com eles sobre isso, que seria melhor para todos pelo menos nos primeiros anos, assim eles também ficam mais livres para exercer a paternidade e maternidade né? Procura a assistente querida, se precisar de ajuda me diz a sua cidade que procuro pra vc. Deus te guie e abençoe. Com carinho, Luciane

  24. Amanda,
    Pra q tudo seja feito na legalidade, te aconselho a procurar a Vara da Infância e Juventude mais próxima da sua casa e falar com a assistente social que vc quer doar a criança que está no seu ventre para adoção.
    Eu quero seu filho(a), mas como eu, existem outras mulheres e homens que também um bebezinho(a) para trocar fralda, botar pra arrotar e ficar a noite sem dormir só pq precisa amamentar o bichinho.
    Eh melhor você fazer tudo certinho, pq se durante a gestação vc desiste e resolve não dar a criança pra adoção, a mulher/homem que vc envolver nesse processo de gestação, ficará muito triste por passar por mais uma frustração de ter um filho prometido e no final não ter.
    Qto a esconder uma gestação … Olha isso eh mto sério! Não dá pra desaparecer da família por 8 meses, ainda mais q vc cita que tem outro filho.
    Qto ao genitor, faz o seguinte: não o procura mais, pq esse nunca será o pai do seu filho, ele apenas te doou o espermatozoide q fecundou seu óvulo.
    Boa sorte!
    E reflita!
    Não tenha medo de dar essa criança, pq com certeza ela será mto amada pelos pais adotivos, ainda mais se vc entregá-la pra adoção assim q ela nascer.
    A maioria dos casais querem bebês

  25. Olá amigos,

    Boa noite!
    Me chamo Iracelma, sou de Aracaju, tenho 29 anos.
    Ser mãe sempre foi meu maior sonho, desde sempre. Há algum tempo recebi a notícia que jamais pensei ouvir: devido ao meu problema no coração não poderei engravidar. Foi uma dor imensa! Chorei por vários dias! Sempre me imaginava grávida, barriga crescendo.
    Nunca me veio na cabeça a adoção. Comecei a pesquisar na internet sobre o assunto, daí conheci esse blog.
    Passei a pensar no assunto. No começo meu esposo ficou com receio, medo de adotar..tivemos vários desentendimentos, mas com o tempo ele foi tocado pela adoção. Estamos ansiosos pela chegada da Maria Clara.
    Tenho muita fé em Deus que em breve a nossa menina estará em nossos braços.Já estamos montando o enxoval dela e a torcida é grande.
    A Maria Clara será muito amada!

    Agradeço a Luciane pela iniciativa de criar esse blog.
    Você me ajudou muito.

    Vou ser mãe!

    Hoje me sinto feliz, pois estou grávida do coração.

    Abraços a todas as mamães do coração.

    Iracelma Mendes

    • Querida, que linda mensagem! Recebi o seu email, guardei ele numa pasta especial pois quero te responder com calma. Muito feliz em ter ajudado vcs de alguma forma. Que a sua família seja tão feliz e abençoada quanto a minha. Os laços de amor são mais fortes do que os de sangue, tenha certeza disso. Deus abençoe a gestação de vcs. Beijos, Luciane.

      • Obrigada Luciene,

        Já me sinto mãe!

        Obrigada por auxiliar as mamães do coração, por nos ajudar com a troca de experiências.
        Muito especial o que estou vivenciando.

        Abraços a todas as mamães do coração.

  26. Gostaria de partilhar com vocês algo muito especial: hoje comprei a primeira roupinha da minha menina!
    Foi uma emoção escolher a roupinha, algo que não sei explicar.

    Obrigada Luciene e todas as mamães do coração por partilaheri comigo algo tão especial.

    Abraços!

    Fiquem com Deus.

  27. Oii Luciane! Sou de Itajaí, e desde o dia em que nos conhecemos, eu e meu esposo temos a adoção como certa em nossa família! Não temos filhos ainda, não sei se por algum problema ou pq não chegou a hora, mas independente de filhos biológicos ou não, é fato que nossa família será formada por filhos do coração tbm! Acontece que, este ano iniciamos a habilitação para a Adoção, e apesar de sabermos da morosidade com que correm estes processos, estamos perdidos pela falta de informação quanto ao andamento do mesmo… quando conversamos com a Assistente Social, ela nos passou que demoraria um ano para entrarmos na fila do Cadastro Nacional, devido as burocracias da habilitação… sabemos que estamos na fila para aguardar o curso, só que pelo que nos foi passado entraremos somente em março/2016, ou seja levaremos exatamente UM ANO somente para conseguir chegar na etapa do curso… depois ainda temos todos os estudos psicossociais para fazer… Gostaria de saber se toda essa demora está normal? Será que se contratássemos um advogado conseguiríamos acelerar o andamento? Você sabe se é possível fazer o curso em outra comarca (no curso de Bal. Camboriú falaram q sim, mas a Assistente aqui disse q não aceitariam)? Se puderes nos esclarecer essas dúvida, agradecemos!

  28. Olá, Luciane! Boa tarde, estou casada a seis anos, já fiz de tudo para engravidar, mas até o momento infelizmente não tive sucesso.
    Estou com 41 anos e acho, que de agora pra frente ficará cada vez mais remotas as chances de engravidar.
    Meu marido sonha em ser pai, já entrou em depressão por causa disso, mas eu não sei mais o que fazer, pois não tenho como dar o tão sonhado filho a ele.
    Estou pronta para adotar uma criança e gostaria que me ajudasse com dicas e caminhos que devo seguir.
    Tenho muita vontade e amor para dar a uma criança, sou tia de 12 crianças e faço tudo, cuido, dou carinho, amor, levo na escola, busco, ajudo a fazer lição de casa, enfim de certa forma realizo um pouco da maternidade, principalmente com meu afilhado,pois a minha cunhada e irmão saem cedo pra trabalhar e fico com as responsabilidades. Mas, meu marido já não sente da mesma forma, pois quando chega em casa a noite, é só ele, nossa cachorrinha e eu. Entende?

    • Olá querida, entendo sim. Em primeiro lugar, sugiro que vcs leiam sobre o assunto ( como vc está fazendo), vejam vídeos, conversem sobre a possibilidade da parentalidade através da adoção até que ela se torne o PLANO A. A adoção ser um plano B nunca tratá realização na vida de vcs nem da criança. Pensem se vcs amariam esta criança mesmo não sendo biológica? É neste ponto que vcs precisam chegar para tomar a decisão de adoção. Aqui tem o link com o passo-a-passo da adoção, qualquer coisa estou por aqui. Deus abençoe. Com amor, Luciane http://gravidezinvisivel.com/processo-de-adocao/

  29. Oi venho procurar ajuda pois n sei mas o q fazer estou gravida, e n sei como, me previno perfeitamente bem tomo todos os dias meu anticoncepcional e uso camisinha mas a camisinha estourou e o remédio falhou fui ao medico ele n sabe explicar o pq o remédio falhou. Mas tenho dois filhos um casal e n planejei o terceiro n pretendia mas ter filhos. Sou casada a três anos e n queremos mas um filho por vários motivos. Meu marido me sugeriu q tirasse mas n acho certo matar pois e uma vida mesmo eu n querendo. Estou aq em desespero amo meus filhos mas q tudo morro por eles. Mas n quero esse terceiro e me acho um monstro por isso q deus me perdoe se eu der ele para adoção isso afeta meus direitos de mae sobre meus dois filhos q já tenho ???

  30. Corretíssimo sua atitude Lu !

    Se vc formalizar à adoção,será um ato de GRANDE amor para com esse filho que você espera Cassia! Que Deus te acompanhe nessa trajetória,e que seja feita à vontade dele.

    Estamos aqui se precisar desabafar.

    Bjos com carinho
    Bruna

  31. Achei esse assunto muito interessante, mesmo por que tenho uma filha adotiva, nossa história iniciou nos anos 90, quando minha esposa não podia ter mais filhos, mas sempre quis ter uma menina, eu principalmente relutei muito até adotarmos uma menina,tinha medo da burocracia por ser PM, tinha medo pela demora e pelo fato de ser uma criança que eu não conhecia, tinha medo que atrapalhasse nossa vida, enfim, puro preconceito. por fim não disse que sim nem que não, quando tivemos a oportunidade de adotar uma menina, descobri que a mãe dela morava próximo a nossa casa e acabei recusando, a segunda menina quando me dei de conta ja estava dentro de casa, Janaína , com 11 meses, mina esposa mandava ela dizer papai e eu ficava todo desconfiado, uma pessoa que eu nunca vi na minha vida me chamando de pai, achava muito estranho. Porém fui me adaptando a nova situação, mas algo de estranho começou a acontecer comigo, eu fui cada vez me apegando mais aquela criança e me apaixonando cada vez mais, quando ela começou a dizer papai, experimentei uma grande sensação, embora ja tivéssemos dois filhos, aquela sensação para mim era muito diferente, era algo que jamais eu imaginava experimentar, enfim é um amor diferente e gratificante para ambos, para quem adota e para quem é adotado. saliento que passamos por muitos problemas na pré adolescência da minha filha mas mesmo assim valeu a pena. A tem mais um detalhe super importante, quando adotamos a Janaína, tínhamos uma banda em família e eu tinha muito medo que com a adoção nossa banda acabasse, no início demos uma parada realmente mas quando ela fez sete anos e eu começei a ensinar ela a cantar, tive uma enorme surpresa, parecia que DEUS estava falando comigo dizendo: VIU O QUE EU ESCOLHI PARA ESTA FAMÍLIA TU ACHOU QUE ELA IA ATRAPALHAR? , Hoje nossa filha é vocalista da Banda The Family. obrigado pela oportunidade de contar minha história de adoção,

  32. Bom dia!!!!
    É com muita alegria que venho compartilhar a nossa história com vocês.
    Eu e o Celso sempre tivemos vontade de ter filhos biológicos e adotivos, e por isso a algum tempo atrás arrumamos a documentação para entrar com o processo de habilitação no cadastro de adoção.
    No mês passado, mais precisamente no dia 27/08/15, aconteceu algo inesperado, a assistente social da Casa Abrigo da minha cidade, Mogi Guaçu, estava à procura de alguém da família de uma pequena menina, pois esta foi entregue para adoção; na hora não pensamos duas vezes, era o nosso desejo se tornando real, neste dia nos consideramos GRAVIDOS DO CORAÇÃO, entramos em contato com a assistente social e esta nos informou que precisávamos provar o parentesco, como em toda gravidez os primeiros dias são mais difíceis, esta tudo muito incerto, o risco de perder nossa pequena ainda era grande.
    Depois de alguns dias conseguimos toda a documentação. E no dia 17/09/15 nos avisaram que estávamos liberados para conhecê-la, nesse momento entramos em TRABALHO DE PARTO, pois em pouco tempo nosso bebê estaria em nosso colo.
    Depois de uma longa noite, no dia seguinte, 18/09/2015, depois de muita expectativa ela que estava no nosso coração, com apenas 3 semanas de gestação, NASCEU!!!!!!
    Uma menina linda, cabelinho liso castanho, nariz empinadinho, cílios bem longos, olhinhos verdes, ou azuis, ou castanhos…, sabe aquela cor de olho de bebê que não dá para definir qual é! ! E tão bochechuda que não dá pra ver o queixinho direito. Essa é a descrição da nossa pequena MEL.
    Avisaram-nos que em breve nossa filhinha poderia ir embora conosco para a casa, precisávamos aguardar a documentação.
    Exatamente uma semana depois, 25/09/15, ligaram avisando que nossa pequena havia recebido ALTA burocrática e que poderíamos, enfim, leva-la para casa.

  33. oi,estou gravida de quatro meses,não posso ter esse filho p0rque moro com minha mãe e já tenho um bebe pequeno,e segundo a minha mãe não me aceitaria dentro de casa com outro bebe pq o pai não me ajuda com nada,não tenho condições de sair de casa,não enho pra onde ir,meu salário não da p sustentar uma casa e duas crianças,o pai não quer saber de mais filhos,estou desesperada,pq não quero abortar, tanta gente querendo ser mãe por isso decidi entregar ele com saúde p alguém q queira adotar e dar amor educação e ensinar o caminho do bem
    obrigada e nao me julgues por favor pq nao pposso msm ter esse bebe…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s