25/05 – Dia Nacional da Adoção – entrevista para o site da Revista Crescer

Lulu-100

“A única diferença entre uma família formada pela adoção é a forma como as crianças chegaram à família. Os laços de sangue não interferem no vínculo. Uma família que se ama vai além disso. Todo filho, seja biológico ou não, precisa ser adotado no coração.” Luciane Cruz

Leia na íntegra: http://revistacrescer.globo.com/Familia/Novas-familias/noticia/2015/05/adocao-confira-passo-passo.html

Anúncios

Participação no blog Mágica de Mãe

Queridos,

Recebi um convite de entrevista muito especial da querida Amanda Araldi, autora do blog Mágica de Mãe.

magicademae

Segue o link para que vocês possam ler a entrevista e conhecer o blog que é um amor!

Entrevista do blog Gravidez Invisível para o blog Mágica de Mãe

Beijos com carinho,

Luciane

Entrevista sobre adoção para o blog Prosa de mãe

Gente querida,

É com muito alegria que compartilho com vocês a entrevista dada ao blog Prosa de mãe, no espaço chamado “Prosa de outras mães”. O blog é da querida Cristiane, mãe do Joseph. 

Mais uma vez agradecida pela oportunidade de compartilhar sobre a maternidade através da adoção.

Espero que curtam!

Beijos com carinho, Lu


Entrevista para o blog Prosa de mãe

Prosa-de-outras-Mães

  1. Fale um pouco de você. Quem é, o que faz, é casada, quanto tempo bloga… Sou gaúcha, mas, morei 5 anos em Londres na Inglaterra e 3 anos em São Paulo. Sou casada há 10 anos mas somando os 4 anos de namoro estamos juntos há 14 anos. Trabalho na área de administração de empresas há uns 10 anos. Quando entrei com o processo de adoção em 2011, decidi iniciar um blog para relatar minhas experiências, buscar ajuda e ajudar de certa forma. Com o tempo o blog foi tomando outra proporção, fui conhecendo mais sobre o universo da adoção no nosso país e hoje tenho este sonho plantado no meu coração: contribuir para uma nova cultura da adoção no Brasil.
  2. Como foi se descobrir que seria uma mãe que geraria no coração? Foi um processo muito tranquilo e natural. Minha mãe biológica faleceu quando eu tinha 3 anos de idade. Continuei morando com meu pai e a nova esposa dele, porém, quando eu tinha 9 anos eles se separaram e eu fui morar com os meus tios e padrinhos. Minha tia era irmã mais velha da minha mãe. Por eles eu fui adotada e recebida com muito carinho como filha. Não teve um processo de adoção em si mas eles tinham a minha guarda de fato. Desde adolescente sempre tive este sonho de adotar. Em 2000, conheci meu marido Filipe . Logo que começamos a namorar ele e a minha sogra me contaram que ele não poderia ter filhos biológicamente falando. Desde o momento que me contaram, sinceramente nunca foi um problema, pois eu já tinha o desejo da adoção plantado no meu coração. Nos casamos em 2004 quando ainda morávamos em Londres. Logo após o casamento começamos a pensar em filhos e já sabíamos a nossa decisão. Algumas pessoas da nossa família sugeriram que fizéssemos a inseminação artificial, porém, já estávamos convictos da nossa escolha, e então em 2006 decidimos voltar ao Brasil para iniciar o processo de adoção aqui.
  3. Achei lindo ir no seu blog e ler: gravidez invisível, conte um pouco desse sentimento/sensação.  A gravidez do coração é muito difícil de vivenciar. O fato das pessoas não visualizarem uma barriga crescendo dificulta a compreensão de que você também está gerando no seu coração um filho que cedo ou tarde vai chegar. O Brasil ainda não tem uma cultura positiva sobre a adoção, então, até que você tenha a criança nos braços nada é feito e pouco é falado. Você não recebe presentes, mimos, carinhos e você não é vista como uma grávida. E para agravar ainda mais a situação normalmente não sabemos o sexo, a idade, e quando esta criança vai chegar. Então, da nossa parte também fica difícil preparar um quarto, comprar roupas, presentes, tudo aquilo que uma grávida quer fazer. É um processo sofrido mas de muito crescimento. “A gravidez da adoção se dá no coração, este órgão que fica localizado no peito e que está cheio de sentimentos, sensibilidade, afeição e amor por um ser que não foi gerado embaixo dele, mas DENTRO dele. Temos consciência da realidade desta gestação, adquirimos muita coragem para enfrentá-la e aprendemos a mensurar o seu valor durante o tempo de espera.” – Luciane Moreira Cruz
  4. Quais os problemas enfrentados para conseguir a adoção? Os processos de adoção no Brasil são demorados. É totalmente compreensível a documentação exigida, as entrevistas com psicólogas, assistentes sociais, a habilitação para adoção. Porém, o que não se compreende é a demora da destituição do pátrio poder da família biológica para que as crianças estejam aptas para adoção. A maioria das crianças que vivem em abrigos não estão disponíveis para adoção. E o problema não é só do sistema que é lento, mas das próprias leis que priorizam ao máximo a busca por alguém com vínculo de sangue que queira adotar a criança e deixam como a última opção as famílias que desejam adotar e estão habilitadas pela equipe técnica e com todo amor do mundo pra dar a esta criança.
  5. Como lidar com a espera? Com muita calma. Desfrutando a vida, um dia de cada vez. Eu fiz meu pré-natal com uma psicóloga, frequentei grupo de apoio à adoção, acompanhei alguns blogs, li alguns livros, enfim, fui atrás de informação, capacitação para esta minha escolha e também curti a vida. Viajar é sempre bom, recomendo! rsrsrs
  6. Como foi o momento do encontro com seu filho? Adaptação… o que mudou em sua vida? Foi o momento em que eu me vi mais próxima do Céu. Foi divinamente lindo. Me lembro como se fosse hoje, eu e meu marido no carro, indo ao encontro do nosso príncipe. Parecia uma cena de filme. Em meia hora passou um resumo de toda a nossa espera na minha mente. Na hora do nascimento, no momento em que ele foi colocado nos meus braços, eu o aproximei do meu peito e sussurei para ele: “Nós te esperamos tanto meu filho, tenha a certeza que você já é muito amado!”. Ao meu redor parecia que tudo estava parado e em silêncio, mas eu sabia que os céus estavam vibrando com mais uma família formada pelas mãos de Deus. Lágrimas escorrem do meu rosto só de lembrar deste momento lindo, único, abençoado. Sempre digo que foi como se eu tivesse recebido um beijo do céu. (Faço referência aqui ao livro “O beijo do céu” da Darlene Zschech) Quanto a adaptação é como de qualquer mãe, leva seu tempo mais tudo se ajeita! Tudo muda, rotina, tempo, mas para melhor!!!
  7. Sei que está na espera pelo segundo filho: Como saber quem será escolhido? Não tem como saber. Na verdade você define um perfil com a psicóloga durante o processo de habilitação para adoção. E quando tem uma criança disponível para adoção a equipe técnica procura a próxima pessoa da lista que tem o perfil adequado para aquela criança. O foco é no interesse da criança, do que será melhor para ela.
  8. Dicas para quem pretende adotar  Se você está pensando em adotar, busque informações o quanto antes. Vá ao fóro da sua cidade, veja a lista de documentos e assim que entregar acompanhe o processo. Esse processo de habilitação pode levar um ano por isso não demore pensando muito, faça pois o processo todo demora, eu me arrependi de não ter entrado com o processo antes, mas enfim! Após o deferimento da habilitação a assistente social informará a média do tempo de espera para o perfil definido de acordo com a sua cidade. Daí, precisa de muita calma nesta espera, mas parabéns, você está grávida!
  9. Um recadinho para as nossas leitoras, que estão sabendo e vendo essa gravidez invisível pela primeira vez.  A adoção é apenas mais um caminho para se chegar a tão sonhada maternidade e paternidade. Não pense que toda a criança que for adotada poderá gerar problemas no futuro por causa da sua história … isso é preconceito (juízo pré-concebido, É uma ideia formada antecipadamente e que não tem fundamento sério.) Existem muitos exemplos positivos de adoção. Infelizmente a mídia, principalmente as novelas, retratam a adoção de uma forma muito equivocada…. e até parece que todos os filhos biológicos são perfeitos…. se assim fosse, não teríamos tantos problemas nas famílias e na sociedade hoje em dia, não é verdade?! Não é o fato de ter sido adotado ou não que determina o caráter de uma pessoa. Na dúvida, acesso o nosso blog rsrsrs

Fonte: http://prosademae.blog.br/gravidez-invisivel-com-luciane-cruz/ / https://www.facebook.com/blogdojoseph