Adoção & o uso de carregador de pano (sling) – conectando pais e filhos através da gestação reparadora

Queridos amigos,

Há tempos estou pesquisando sobre o uso dos carregadores de pano, também chamado de slingEm inglês chama-se babywearing que significa ““vestindo o bebê”, afinal o sling é como um pedaço de tecido que fica amarrado em você e na criança.

 

 

Fonte: evolutionaryparenting.com

Fonte: evolutionaryparenting.com

 

Considerando a importância da construção do vínculo afetivo entre pais e filhos, percebi que temos aqui uma valiosa ferramenta nesta caminhada de intimidadeconexão, afinal um carregador de pano permite um contato pele a pele que é essencial.

Esta prática é altamente recomendada nos casos de adoção pois fomenta o apego e proporciona benefícios fisiológicos para a criança pois também contribui para o seu desenvolvimento sensorial. Auxilia muito no desenvolvimento da afetividade e cumplicidade entre mãe/pai e filho.

 

 

 

Fonte: growinggreenbaby.com

Fonte: growinggreenbaby.com

Como é recomendado o uso até mesmo dentro de casa, com o sling você fica com as mãos livres para fazer as tarefas necessárias para a própria criança como lavar roupas, mamadeiras, preparar banho, preparar alimentação, entre tantas outras atividades que temos com a chegada de uma criança em casa.

No início temos dificuldade em adaptar a rotina de dar a devida atenção a criança e em fazer todas as tarefas que são necessárias para o bem-estar dela. Com um carregador de pano você fica próximo a criança e faz o que for necessário.

Note que os carregores de pano não são só para carregar bebês! 

Um carregador de pano pode ser utilizado com crianças até 3 anos, menos ou mais, dependendo do tamanho e do peso da criança e da sua estrutura física.

Fonte: blog.ergobaby.com

Fonte: blog.ergobaby.com

 

 

 

Segundo a recomendação da Laura Willard do site She Knows, mesmo que no seu caso o seu filho não tenha se adaptado ou já esteja grande demais para vestir um carregador de pano, leia as dicas mesmo assim, pois os princípios básicos também podem te beneficiar: proximidade com o filho, manter sintonia com a criança e constante conversação são propósitos que permanecem mesmo após o crescimento da criança!

Segundo Dr. Sears: Babywearing significa trocar nossa mente sobre o que os bebês realmente gostam. Os novos pais freqüentemente visualizam seu bebê deitado quieto em um berço, olhando passivamente a móbiles, apenas o carregando para alimentar, brincar e então colocá-lo de volta. Você deve pensar que pegar o bebê a cada período de tempo é o suficiente para acalmá-lo e então voltá-lo ao berço. Babywearing reverte esta visão. Carregue seu bebê em um sling por muitas horas durante o dia e então coloque-o para dormir e atenda a suas necessidades pessoais. Leia mais aqui: http://maecanguru.blogspot.com.br/2009/05/o-significado-do-babywearing-nossa.html

 

 Tem um post aqui do blog que foi enviado pela leitora Barbara Lito. Ela traduziu de um livro em francês “Pele a pele, técnica e prática de carregar bebês” (título original “Peau à peau, technique et pratique du portage”) e compartilhou conosco. A autora Ingrid van denPeereboom explica os benefícios do uso do sling, e, especialmente nos casos de adoção, coo pode colaborar muito no desenvolvimento do vínculo afetivo entre pais e filhos, e leia que interessante a informação da “gestação reparadora” nos casos de adoção:

“Geneviéve, responsável por essa organização e mãe adotiva, alenta esse pais a ocupar-se de seus filhos de um ano ou mais como se fossem recém nascidos, a carregá-los sobre o ventre favorecendo o apego.

Sugere que eles se autorizem a uma pequena “gestação reparadora” por meio de um sling resistente e envolvente: o wrap. 

Carregar seu filho pode permitir que se conheçam verdadeiramente, ancorar esse novo amor em seus corpos. O bebê recusará, quem sabe num primeiro momento o aninhar-se no colo do carregador e pode levar um tempo até que se consiga isso. Mas o reencontro é possível.

Geneviáve nos da ideias sobre o papel de carregar o filho num processo de adoção: “O essencial a ser destacado no marco da adoção é a criação de vínculos […] Muitos pais subestimam a primitiva ferida do filho adotado. Se há adoção, há havido abandono. Separado de sua mãe biológica, o bebê tem um grande sofrimento, está desarmado e em profunda comoção.

A operação deve dar certo, e para isso devemos dar para ele o tempo necessário. Necessita tempo, amor, e sobretudo muita paciência.” 

Leia o post na íntegra: http://gravidezinvisivel.com/2014/12/03/os-beneficios-do-uso-do-sling-especialmente-nos-casos-de-adocao/

Canguru fêmea junto com seu filhote  Foto: http://pt.wikipedia.org

Canguru fêmea junto com seu filhote
Foto: http://pt.wikipedia.org

CURIOSIDADE: Você sabe o que é marsúpio?

Marsúpio é uma bolsa existente no corpo das fêmeas dos mamíferos da família dos marsupiais, formada por um dobramento da pele. Os filhotes marsupiais nascem numa etapa muito prematura do desenvolvimento. Após o nascimento, o filhote introduz-se no marsúpio da mãe, onde estão localizadas as glândulas mamárias, completando assim seu desenvolvimento. O filhote de canguru nasce com apenas 2 cm de comprimento e pesando menos de 1 g. O marsúpio funciona como se fosse uma incubadora, onde o filhote se instala, até criar fortalecimento físico para poder sobreviver sozinho. Fonte: http://www.klickeducacao.com.br/

 

 

 

 

 

Meu filho e eu slingando por aí

 

Eu usei e ainda uso um carregador de pano com meu filho, eu costumo usar um lenço (scarf) e aprendi neste vídeo https://www.youtube.com/watch?v=-XOkMoF85Zk

Confesso que após este estudo percebo que eu deveria ter usado muito mais! No início eu ficava insegura de colocá-lo no sling, não tinha muita prática e nem muita orientação. Também não tinha o conhecimento que tenho hoje, por isso busquei conhecer alguém da área para compartilhar com vocês o mais rápido possível! E foi então que recebi a indicação da especialista em slings Karla Pinto da Luz. Obrigada Juliana Sell da Apoio Materno!!

 

 

 

 

Karla da Mãe Canguru

Karla da Mãe Canguru

 

A Karla Pinto da Luz é natural de Florianópolis, SC, tem 45 anos, é mãe do Vitor e empresária especialista em slings. Há 7 anos fundou sua empresa chamada “Mãe Canguru” para atender as famílias brasileiras que queriam usar o sling e também tem uma loja Cute Cool craft que comercializa slings, acessórios e roupas  para vida em família ficar mais Cute e Cool.

Segue abaixo entrevista completa com a Karla, que é muito querida e super disponível para nos ajudar:

Luciane – O uso dos carregadores de pano (sling) é algo relativamente novo no Brasil. Como você teve o primeiro contato?

Karla – Quando comecei a usar sling era uma grande novidade. Babywearing é o ato de carregar o bebê junto ao corpo em carregadores de pano, muito utilizada em tribos africanas e indígenas. Durante minha gestação tive de fazer repouso absoluto durante as 40 semanas e a minha maior preocupação era voltar a vida normal com um bebê. Lembrei que muitas mães ao redor do mundo levavam seus filhos muito pequenos a todos os lugares inclusive para exercer seu trabalho. Comecei então a minha pesquisa sobre as formas de carregar bebês o mais próximo possível. Me apaixonei a cada leitura e tratei de providenciar meu primeiro sling, que veio de Portugal. O sling chegou eu estava na maternidade, Confesso que fiquei um pouco com receio de colocar o meu bebê ali, mas se todos os bebês se adaptavam e eu tinha certeza que ali era o lugar ideal para ele … Saímos slingados da maternidade e usamos o nosso querido sling até o terceiro ano de idade.

Durante este tempo nos nossos passeios éramos alvo de grande curiosidade e todo mundo que eu encontrava e gostava queria um sling . Pensei … Eu poderia ajudar muitas famílias ao difundir a prática do sling e da criação com apego . Comecei minha atividade aos poucos e em dois anos deixei meu emprego em uma grande empresa para me dedicar exclusivamente a confecção e a difusão da prática do sling . E nestes 6 anos posso dizer que foi a melhor escolha que eu poderia.

Luciane – Quais os benefícios dos carregadores de pano?

Karla – Os benefícios são inúmeros, que vai da praticidade ao apego. Cito apenas alguns deles:

* Redução de cólicas;

* Prevenção do refluxo;

* Segurança em caminhadas e em casa;

* Facilitador de comunicação e Apego;

* Segurança;

* Economia;

* Praticidade

* O principal benefício (na minha opinião) é o vínculo.

Luciane – Quais são os modelos e o que diferencia cada um?

Karla – Babywearing é o ato de carregar o bebê junto ao corpo em carregadores de pano, muito utilizada em tribos africanas e indígenas. Existem várias formas de carregar um bebê:


– No colo, quando eles são recém nascidos ou por curtos períodos, senão dá uma leve dor nos braços e nas costas;


- Num canguru comum, onde peso do bebê se divide nos dois ombros, ele fica numa posição prática (para nós) e parece bem seguro. Só que o bebê só pode ficar em uma posição.

– Ring Sling (sling de argolas), onde o bebê fica numa posição muito confortável, muito semelhante ao útero materno ( daí a teoria da extra gestação do antropologista Ashley Montagu) . As posições mudam conforme o crescimento da criança.

Ring sling  http://www.cutecoolcraft.com.br/pd-1d5702-ring-sling-sling-de-argolas-palha.html?ct=48a6c&p=1&s=1

Ring sling Foto: Cute Cool craft

– Wrap, é um tecido comprido, que é enrolado e preso ao corpo de quem está carregando. Neste modelo você realmente veste o bebê que é extremamente confortável. O peso do bebê fica dividido, é super seguro, a gente quase esquece que tem um bebê ali. Existe uma versão onde as amarrações já vem praticamente prontas “fast wrap”: você veste, como se fosse uma camiseta e coloca o bebê no meio.

16055169823_2449da037f_b

Wrap Sling Foto: Cute Cool craft

– O Mei Tai é um carregador de pano inspirado nos modelos orientais, e faz parte do que se conhece por carregador estruturado. Não exatamente um canguru, que possui travas e regulagens, mas com o mesmo conceito de carregar o bebê sentado em uma cadeirinha de tecido, junto ao corpo. Mei-tai, é um quadrado de tecido com tiras, que você usa pra amarrar em volta do bebê e de si. 

No caso do Mei Tai, os ajustes são feitos através de nós nas faixas já preparadas do carregador.

– Pouch Sling – é o sling sem argolas, trata-se de uma faixa de tecido com apenas uma costura côncava, não tem ajustes e é feito conforme o tamanho de quem vai usar numa grade de numeração PP, P , M, G e GG. Com as mesmas vantagens de posições do Ring Sling (sling de argolas) , é o modelo mais prático de carregadores, pois é e de muito fácil adaptação. Basta colocá-lo e ele estará pronto para uso.

Pouch Sling  Foto: Cute Cool craft

Pouch Sling
Foto: Cute Cool craft

 – Ergo Baby –  este modelo parece uma mochila e é recomendado para crianças maiores.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Então, o sling é somente mais um tipo destes carregadores. O mais importante é comprar a filosofia desta prática. Mas realmente é maravilhoso e é o melhor investimento que uma mãe pode fazer na troca de afetividade e cumplicidade com o seu bebê.

Luciane – O sling pode ser usado em crianças de até que idade e peso? Qual o modelo você indica para crianças maiores?

Karla – Isso vai depender muito da criança e de quem a carrega. Eu e meu filho usamos nossos slings até três anos de idade, mas geralmente o sling comporta até 20 kg de peso. Para levar crianças maiores eu recomendo primeiro é trabalhar bem a musculatura da coluna vc precisa de muita força para carregar uma criança, mas eu pessoalmente prefiro os modelos um pouch sling ou um MEI -Tai. Ou o modelo da Ergobaby.

Luciane – Para colocá-lo será preciso ajuda de outra pessoa?

Karla – Algumas pessoas precisam de ajuda nas primeiras vezes, mas depois de uma certa prática e confiança não será mais preciso. Eu sempre aconselho que a criança que vai slingar pela primeira vez esteja calmo, sem fome, sem sono e com o mínimo de roupas e acessórios. Os pais e acompanhantes também precisam estar confiantes e sem medo pois a criança sente a insegurança.

Luciane – Posso colocar meu filho em qualquer posição?

Karla – As posições da criança no sling são inúmeras conforme a idade e o tamanho da criança. No wrap sling existem tantas maneiras de carregar e amarrações que a cada dia mães e pais em torno do mundo inventam maneiras diferentes e seguras de carregar seus filhos para todos os lugares bem ao alcance do beijo e perto do coração, afinal, carregamos o nosso maior tesouro.

Luciane – Qual a média de valor do sling?

Karla – Os slings variam de 90 a 150 reais.

Luciane – Onde encontrar?

Karla – Tenho uma loja virtual onde mando slings para todo mundo wwww.cutecoolcraft.com.br e se você estiver em Floripa é só entrar em contato comigo que estou a disposição com slings em feiras, eventos e workshops.

Bom pessoal, terminamos nossa pesquisa por aqui. Aceitamos sugestões e se necessário faremos as devidas correções e/ou adequações neste texto. Todas as fontes estão linkadas acima ou nas fotos. Espero que esta prática ajude muitas famílias formadas pela adoção.

Um grande beijo com muito amor,

Luciane

Anúncios

Um comentário sobre “Adoção & o uso de carregador de pano (sling) – conectando pais e filhos através da gestação reparadora

  1. Pingback: Adoção & o uso de carregador de pano (sling) – conectando pais e filhos através da gestação reparadora | Gravidez Invisível

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s